Hormônios e ligação com Artrite

Hormônios e ligação com Artrite

As doenças autoimunes são mais comuns em mulheres do que em homens e as condições inflamatórias autoimunes artríticas têm tendência a serem prevalentes em mulheres, a artrite reumatoide, por exemplo, é 2-3 vezes mais comum em mulheres do que em homens e o Lúpus eritematoso sistêmico tem 10 vezes mais chances de ocorrer em mulheres do que em homens.

Para saber o motivo pelo qual as mulheres são mais suscetíveis a doenças autoimunes do que os homens, estudos foram conduzidos sobre as diferenças hormonais e a sua influência no sistema imunológico.

Muitos estudos têm examinado como certos hormônios reprodutivos, como estrogênio, progesterona, DHEA e testosterona, desempenham um papel na resposta do sistema imunológico e a conclusão que parece ser mais importante é que o equilíbrio adequado desses hormônios são críticos não apenas para reduzir a probabilidade de distúrbios autoimunes, mas também para ajudar a equilibrar as respostas do sistema imunológico, em geral.

 

Hormônios e ligação com Artrite – Estrogênio

O estrogênio é um regulador poderoso do sistema imunológico, e a relação entre o estrogênio e o sistema imunológico é complexa.

Por muitos anos após a publicação do Nurse’s Health Study, vários estudos refutaram a ideia de que o estrogênio poderia ser estimulador do sistema imunológico.

Uma razão para isso é que certas doenças autoimunes, como a AR, tendem a piorar quando as mulheres entram na menopausa e seus níveis de estrogênio diminuem.

Outra razão é que as mulheres grávidas, que frequentemente entram em remissão durante a gravidez, têm níveis mais elevados de estrogênio e progesterona durante a gravidez.

Mas um olhar mais atento sobre os efeitos do estrogênio no sistema imunológico nos mostra um quadro muito mais complexo.

Então precisamos entendem o delicado equilíbrio entre os hormônios.

Macrófagos e linfócitos contêm 2 tipos de receptores de estrogênio: ER-α e ER-β.

A estimulação desses receptores de estrogênio em linfócitos aumenta a proliferação celular e reduz a apoptose celular.

O estrogênio também estimula a proliferação de células B e reduz apoptose em células B auto-reativas que estimulam a autoimunidade. O metabolismo de estrogênio de uma mulher também desempenha um papel importante.

Comparados com outros metabólitos de estrogênio, os estrogênios 16α-hidroxilatados (metabólitos de 17β-estradiol e estrona) tendem a ser associados com estados inflamatórios naqueles com artrite reumatóide e Lúpus eritematoso sistêmico.

Estes metabólitos são frequentemente encontrados como significativamente aumentados no fluido sinovial de pacientes com artrite reumatóide em homens e mulheres.

Níveis elevados de aromatase também têm sido observados no fluido sinovial desses pacientes, sugerindo que o metabolismo do estrogênio para esses metabólitos pode ocorrer dentro do próprio espaço articular.

Isto combinado com um aumento nos receptores de estrogênio no fluido sinovial, é perfeito para promover a inflamação.

Assista meu vídeo: Como tratar endometriose e predominância estrogênica?

Hormônios e ligação com Artrite – Progesterona

A progesterona, por outro lado, parece diminuir a resposta do sistema imunológico.

Na verdade, essa pode ser a razão para a melhora dos sintomas ou remissão da doença durante a gravidez, ao invés do aumento do estrogênio.

A progesterona estimula alguns receptores glicocorticoides em células imunes para suprimir a produção de interferon (IFN)-α.

Assim, níveis mais baixos de IFN-α têm sido observados no sangue de mulheres saudáveis durante a fase luteal de seu ciclo ovulatório quando seus níveis de progesterona estão no seu nível mais alto.

Altos níveis de progesterona também suprimirem a diferenciação das células TH17, bem como ajudam com a diferenciação regulatória de células T (TReg) das células CD4+ (Células que participam da patogênese de doenças inflamatórias autoimunes).

Hormônios e ligação com Artrite – Testosterona

A testosterona, assim como a progesterona, também parece diminuir a resposta do sistema imunológico.

Os homens com artrite reumatóide muitas vezes têm níveis anormalmente altos de estradiol sérico e níveis mais baixos de testosterona.

Os níveis de DHEA também tendem a ser mais baixos tanto em mulheres quanto em homens com artrite reumatóide e Lúpus eritematoso sistêmico.

Em oposição ao estrogênio, a testosterona promove apoptose de macrófagos.

Camundongos tratados com testosterona também mostram uma redução na proliferação de células B, enquanto níveis mais baixos de testosterona sérico levam a níveis significativamente elevados de linfócitos de células B.

Assista meu vídeo: Aumento da testosterona – Cinco maneiras cientificamente comprovadas

Conclusão dos Hormônios e ligação com Artrite

É importante entender como os hormônios desempenham um papel na patogênese autoimune.

Todos os pacientes com doenças autoimunes, especialmente artrite inflamatória, devem tratar desequilíbrios hormonais e deve-se ter muita cautela na prescrição do tratamento, como também não se deve tratar mulheres apenas com estrogênio não bioidêntico.

Medir os níveis de hormônio sérico, salivar ou urinário é importante.

Outros hormônios, tais como cortisol, prolactina, insulina, etc, também impactarão a resposta do sistema imunológico se desequilibrados.

Assista meu vídeo Que exames fazer anualmente? Exames esquecidos

Gatilhos ambientais, como dieta, estilo de vida, infecções microbianas, infecções virais e exposição tóxica, também podem levar ao aumento da estimulação das respostas do sistema imunológico.

Sendo assim, o tratamento de pacientes com doenças autoimunes deve analisar todos estes fatores.

MATERIAIS EXTRAS

Vídeo sobre Modulação hormonal feminina

Vídeo sobre Modulação hormonal Masculina

Modulação Hormonal – Verdades e mentiras – Palestra parte 1

Modulação Hormonal – Verdades e mentiras – Palestra parte 2

36ba000bbef6eff0bba1f0259a77102f?s=96&r=g
Dr. Alain Dutrahttps://artigos.alainuro.com
Dr. Alain Dutra é médico urologista. Além dos aspectos tradicionais de uma consulta médica, busco avaliar a sua vida como um todo, para entender onde seus hábitos de vida (sejam esses alimentares, de exercícios ou níveis de estresse) estão contribuindo para o seu atual estado de saúde.

More from author

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Outros Artigos

Últimos artigos

Multivitamínicos e minerais – Dicas para otimizar a absorção

Multivitamínicos e minerais - Dicas para otimizar a absorção Vamos falar a respeito dos melhores horários e esquemas para uso de multivitamínicos e minerais. Para otimizar...

Polifarmácia e depressão

Polifarmácia e depressão Não posso deixar de abordar esse tema, a "Polifarmácia", pois cada dia recebo mais e mais pacientes no consultório com quadros de...

Vitamina B6 – Sintomas de sua falta e do seu excesso

Vitamina B6 sintomas de sua Falta e do seu excesso Você sabia que o excesso de vitamina B6 pode ser tão prejudicial quanto a sua...

Assine nosso newsletter e receba as últimas notícias direto em seu e-mail

spinner
loading...
error icon
redirect