O futuro da prevenção e também do tratamento das doenças cardiovasculares não deveria ser encontrado somente em farmácias, e sim em sua cozinha ou em seu quintal crescendo em uma árvore ou horta. 
Você sabia que a fruta Romã já foi estudada e demonstrou prevenir a progressão da doença arterial coronariana?
Um estudo com camundongos publicado na revista Atherosclerosis mostrou que o extrato de romã pode prevenir e/ou reverter a patologia primária associada à mortalidade cardíaca: o espessamento progressivo das artérias coronárias causado pelo acúmulo de materiais graxos conhecido como aterosclerose. 
Os pesquisadores também descobriram que o tratamento com extrato de romã resultou nos seguintes efeitos benéficos: Níveis reduzidos de estresse oxidativo, Proteína quimiotática de monócitos reduzida, associado a processos inflamatórios dentro das artérias. Redução do acúmulo de lipídios no músculo cardíaco. Infiltração reduzida de macrófagos no músculo cardíaco. 
Como um extrato de fruta pode reverter tantos aspectos da doença arterial coronariana, como evidenciado pelo estudo acima? A resposta pode estar no fato de que nossos ancestrais evoluíram com certos alimentos (frutas e legumes em particular neste caso) por tanto tempo que a falta de quantidades adequadas desses alimentos podem resultar diretamente na deterioração da função dos órgãos. De fato, o ganhador do Prêmio Nobel duas vezes, Linus Pauling, sempre argumentou que a deficiência de vitamina C é uma causa fundamental de doenças cardiovasculares.
A Romã  é uma excelente fonte de vitamina C e antioxidantes. Também é rica em óxido nítrico que ajuda os vasos sanguíneos a se dilatar para promover o fluxo sanguíneo adequado fornecendo também vários benefícios à saúde, incluindo melhor desempenho no exercício, menor pressão arterial e melhor função cerebral.