Saiba mais sobre o HPV (condiloma acuminado ou crista de galo)

CONDILOMA ACUMINADO

Trata-se de uma doença também conhecida como crista de galo, cavalo de crista ou verruga genital.

É causada por um vírus, chamado “papiloma vírus humano” (conhecido como HPV) e na atualidade é uma das doenças sexualmente transmissíveis (DOENÇA VENÉREA) mais disseminadas pelo mundo e estima-se que no Brasil, atinja mais de 40% das mulheres e cerca de 50% dos homens sexualmente ativos.

Embora anteriormente fosse considerado um problema banal, hoje sabe-se que algumas dessas lesões podem evoluir para lesões cancerosas ou pré-cancerosas (malignas ou pré-malignas), nas áreas afetadas (colo do útero, vagina,vulva, ânus ou pênis)

Transmissão:

na maioria dos casos (95 %), ocorre a transmissão através da relação sexual, mas pode haver transmissão através de roupas íntimas, toalhas, sabonetes, buchas ou esponjas contaminadas e eventualmente com materiais de exame contaminados (materiais cirúrgicos ou de exame ginecológico) e algumas vezes o meio de contágio pode permanecer sem ser esclarecido.

O período de incubação pode variar de poucas semanas até mais de um ano, então podem surgir lesões microscópicas (forma subclínica), que geralmente não causam sintomas e nem são aparentes a olho nú ou até lesões maiores, já visíveis a olho nú, com aspecto de verruga ou vegetações (aspecto de couve flor ou de crista de galo). Em muitos casos permanecem na forma microscópica durante anos e nesta fase as lesões podem ser totalmente assintomáticas ou eventualmente podem causar irritação e coceira no local, devido a associação com micoses (infecção por fungos na região). Porém mesmo na forma de lesões microscópicas, a doença também é transmissível.

Felizmente, apesar de se tratar de doença ALTAMENTE contagiosa, cerca de 1/3 os parceiros sexuais podem nem chegar a ter as lesões, mesmo as microscópicas, por resistência natural ao vírus, isto é, o organismo consegue detectar as células infectadas e eliminá-las.

Diagnóstico:

Na mulher, o método de triagem mais utilizado e de grande utilidade é o Papanicolaou (colpocitologia oncótica) que pode indicar alterações provocadas pelo vírus.

Também frequentemente são realizados os exames de peniscopia (no homem) e colposcopia e vulvoscopia (na mulher), são exames que se utilizam de reagentes e lentes de aumento, que permitem avaliar a localização e a extensão das lesões que ainda não são visíveis a olho nú (lesões microscópicas) e caso sejam encontradas lesões nestes exames, são retirados pedaços muito pequenos de tecido (biópsia) para exame ao microscópico (anátomo patológico).

Algumas alterações microscópicas, tal com a coilocitose, podem indicar indiretamente a presença do Papiloma vírus humano (HPV). Outro método também pode ser utilizado, a Hibridização in situ, que identifica a presença de partículas do vírus no próprio tecido retirado na biópsia.

Existem outros exames aos quais os pacientes podem ser submetidos, tais captura híbrida.

Já quando a lesão já é visível a olho nú (verruga ou vegetação), é retirada a verruga toda e enviada para exame anátomo patológico.

Tratamento:

O tratamento, visa eliminar as lesões verrucosas visíveis através da destruição das lesões (por calor, ácidos ou congelamento) e também o tratamento das lesões microscópicas, com utilização de cremes de aplicação local, tais como Aldara, Wartec, 5 Fluoracil, podendo ser associados a vitaminas e estimuladores da imunidade.

Infelizmente, no momento ainda não há medicações de uso oral ou cremes de aplicação local que curem todos os casos deste tipo de vírus, podendo o vírus ficar latente (“adormecido” no corpo), por isso é muito comum o ressurgimento, seja de lesões visíveis a olho nú ou detectadas a peniscopia, isto é, pode se tornar uma doença crônica.

Este tratamento normalmente é de longo prazo, cerca de 1 ano, pois é comum a recidiva da doença, com surgimento de novas lesões. Por ser uma doença de tratamento muito longo e de difícil controle, muitos pacientes abandonam o tratamento sem realmente constatar se houve cura ou controle da doença, mas a importância do tratamento, além do desconforto estético, que as verrugas possam causar, está em prevenir futuras evoluções destas lesões, para formas mais graves, tais como câncer do aparelho genital feminino (vulva, vagina ou colo do útero) ou masculino (pênis) ou no ânus.


Prevenção:

Caso você tenha contato com os parceiros (as) sexuais, comunique a suspeita ou confirmação da presença do condiloma genital, para que procurem tratamento adequado.

Caso seja constatado o condiloma, para você ou para sua parceira, USE O PRESERVATIVO, para todo tipo de relação sexual, seja vaginal, anal ou oral. Separe em sua residência, possíveis materiais que possam contaminar outras pessoas, tais como toalhas, esponjas, sabonetes e lave separadamente sua roupa íntima.

Lave bem as mãos, toda vez que manipular a região, evitando a autocontaminação e nem tente arrancar ou apertar verrugas visíveis.

Como esta doença tem uma ligação importante com a resistência do organismo (imunidade) é importante dormir de 7 a 8 h por dia, alimentar-se regularmente e adequadamente, parar de fumar e tentar reduzir o stress em todas atividades. Mais sobre hábitos saudáveis de vida em #movimento11

Além dos hábitos de vida saudáveis, o uso de Vitamina D3, Vitaminas do Complexo B, lactobacilos (como o Kefir), substâncias antioxidantes e alimentos funcionais podem ajudar a melhorar a imunidade.

 

VACINAS

IMPORTANTE: Dentro da Medicina tradicional as vacinas são valorizadas e indicadas há mais 100 anos. Porém existem evidências que não podem ser ignoradas contra o uso das mesmas. Neste trecho do texto vou reproduzir o que atualmente é recomendado pelas Sociedades Brasileiras de Ginecologia e Obstetrícia e de Urologia. Pretendo revisitar o tema vacinas em um futuro próximo após ponderar as evidências contra e a favor.

“A partir de 2008, 2 vacinas contra o HPV se tornaram disponíveis no mercado,  e oferecem proteção contra o câncer de colo do útero.

Existem dezenas de tipos de HPV, sendo os 2 mais importantes 16 e 18, que estão diretamente ligadas ao desenvolvimento desse tipo de câncer. As vacinas Gardasil (da MSD, a primeira desenvolvida) e Cervarix (da GSK) oferecem proteção contra esses 2 tipos de HPV. A Gardasil oferece, adicionalmente imunização contra os tipos 6 e 11, associados ao aparecimento de verrugas genitais.

A aplicação das vacinas está indicada principalmente para as meninas pré-adolescentes e mulheres que ainda não iniciaram a atividade sexual e que não sejam portadoras do vírus. No caso da Gardasil, dos 9 aos 26 anos, em 3 doses (após a primeira, outra dose após 2 meses e reforço após 6 m). Para o Cervarix, a faixa etária compreende dos 10 aos 25 anos (esquema de segunda dose após 1 mês e reforço em 6 meses).

Também é recomendado que os homens façam uso da vacina, principalmente para aumento da imunidade específica contra o vírus, depois que apresentam lesões no pênis pela primeira vez. Esta vacinação é particularmente importante no grupo de homens que fazem sexo com homens (na sigla HSH), porque neste grupo há um risco 15 vezes maior de câncer de ânus, também fortemente ligado ao vírus do HPV.”

#doencavenerea #dst #hpv #gardasil #verrugasgenitais #condilomaacuminado

Dr. Alain Dutrahttps://artigos.alainuro.com
Dr. Alain Dutra é médico urologista e aplica a Medicina Funcional, Integrativa e de Estilo de vida e princípios ortomoleculares.

More from author

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Outros Artigos

Últimos artigos

Seria a vitamina K um elo perdido no Covid-19?

Seria a vitamina K um elo perdido no Covid-19? A vitamina K, vem ganhando atenção e pesquisas. Superar as deficiências de micronutrientes, como zinco, vitaminas C...

Arsênio – Os perigos da contaminação e o que causa na nossa saúde

Arsênio - Os perigos da contaminação e o que causa na nossa saúde O que é arsênio? O arsênio é um elemento que pode ser encontrado...

Casos de medicações retiradas de circulação por efeitos colaterais graves e mortes. 

Casos de medicações retiradas de circulação por efeitos colaterais graves e mortes As 4 medicações retiradas de circulação por seus efeitos colaterais graves e mortais! O...

Assine nosso newsletter e receba as últimas notícias direto em seu e-mail

loading...