SIFO – Síndrome Fúngica uma epidemia silenciosa

SIFO – Síndrome Fúngica uma epidemia silenciosa

O supercrescimento fúngico ou síndrome fúngica (SIFO)  está bem perto de ser uma epidemia nos dias de hoje e é responsável por muitas doenças crônicas.

Os sintomas são vários e podem ser tão sérios até o ponto de incapacitar a pessoa afetada.

O que é SIFO?

As pessoas que sofrem desta condição muitas vezes passam por vários médicos e acabam sendo diagnosticadas como hipocondríacas ou como tendo problemas psiquiátricos, antes de descobrirem o que realmente têm.

Isto acontece porque a maioria dos médicos não foi treinado para diagnosticar esta condição.

O supercrescimento fúngico (SIFO) mais comum é o da Candida Albicans, que é uma levedura que ocorre naturalmente no corpo humano, vive em harmonia com uma variedade de outros microrganismos e desempenha algumas funções importantes.

O problema começa quando algo perturba o equilíbrio do microbioma, permitindo que o organismo de leveduras se prolifere e assuma todos os microrganismos saudáveis.

Uma vez que este organismo resistente prolifera no corpo, ele inicia muitas doenças, condições e síndromes comuns.

Principais Sinais e Sintomas do SIFO

Alguns dos sintomas mais frequentes da supercrescimento fúngico são:

  1. Gás abdominal e inchaço;
  2. Cefaléias e enxaquecas;
  3. Fadiga excessiva;
  4. Desejo de consumir álcool;
  5. Desejo de consumir doces;
  6. Ansiedade;
  7. Vaginite;
  8. Coceira retal;
  9. Incapacidade de pensar claramente ou concentrar;
  10. Hiperatividade;
  11. Alterações de humor;
  12. Diarreia;
  13. Constipação;
  14. Coceiras;
  15. Acne;
  16. Eczema;
  17. Depressão;
  18. Sinusite;
  19. Síndrome pré-menstrual;
  20. Tontura;
  21. Memória fraca;
  22. Tosse persistente;
  23. Dores de ouvido;
  24. Falta de apetite sexual;
  25. Fraqueza muscular;
  26. Irritabilidade;
  27. Dificuldades de aprendizagem;
  28. Sensibilidade a fragrâncias;
  29. Sensibilidade a produtos químicos;
  30. Prejuízo cognitivo;
  31. Clamídia;
  32. Pé de atleta;
  33. Dor de garganta;
  34. Indigestão;
  35. Refluxo ácido;
  36. Dor crônica.

O super crescimento fúngico (SIFO) pode andar de mãos dadas com uma intoxicação por mofo – os esporos inalados do mofo podem favorecer um ambiente para o crescimento fúngico de várias espécies.

Então diante dos sinais e sintomas, averiguar a situação da sua casa, escritório ou local de trabalho, pode ser parte da investigação da síndrome fúngica.

Uma das formas mais conhecidas é a infecção por levedura vaginal, mas o crescimento excessivo de levedura é considerado um dos principais contribuintes no:

  • alcoolismo;
  • transtornos de ansiedade;
  • asma;
  • síndrome do intestino irritável;
  • doença de Addison;
  • sensibilidades químicas múltiplas;
  • doença de Crohn;
  • autismo;
  • síndrome da fadiga crônica;
  • síndrome do intestino permeável;
  • TPM;
  • endometriose;
  • fibromialgia;
  • prostatite;
  • transtorno do déficit de atenção;
  • esclerose múltipla;
  • asma;
  • alergias alimentares;
  • dor muscular e articular;
  • depressão clínica;
  • infecções do trato urinário repetidas;
  • desequilíbrios hormonais;
  • enxaquecas;
  • distúrbios digestivos;
  • psoríase;
  • lúpus;
  • dor crônica;
  • síndrome de Tourette;
  • vulvodínia;
  • artrite reumatoide;
  • doença do mofo;
  • síndrome de ativação dos mastócitos e muito mais.

Os sintomas do supercrescimento fúngico podem variar de uma pessoa para outra e podem afetar sistemas diferentes.

Num dia você pode experimentar sintomas no sistema musculoesquelético e no dia seguinte no sistema digestivo, por exemplo.

O cérebro é o órgão que é mais frequentemente afetado pelos sintomas do SIFO, mas ele também tem efeitos negativos profundos sobre os seguintes sistemas:

  1. digestivo;
  2. nervoso;
  3. cardiovascular;
  4. respiratório;
  5. reprodutivo;
  6. urinário;
  7. endócrino;
  8. linfático e musculoesquelético.

Muitas pessoas que negativo para SIBO (supercrescimento bacteriano no intestino delgado) muitas vezes possuem Supercrescimento fúngico (SIFO).

Mas, as duas condições também podem andar juntas!

Exames para o diagnóstico correto

É melhor encontrar um médico com uma formação holística de saúde, que tenha uma compreensão completa dos sintomas do supercrescimento fúngico e seu impacto na saúde.

Este profissional saberá pedir os melhores exames para identificar os tipos de fungos e também indicar os melhor remédios e nutracêuticos que combaterão o SIFO.

Há uma variedade de testes que podem ser feitos:

  • Exames abrangentes de fezes;
  • Exames de sangue;
  • Análise de células sanguíneas vivas, que ajudarão no diagnóstico e tratamento.

Um exame Abrangente de fezes pode identificar os tipo de fungos, já que apesar de ser o mais comum, não é só a candida albicans que pode causar disbiose fúngica, mas outras espécies de fungos como: Fusarium oxysporum, Aspergillus fumigatus, Trichosporon spp, Penicillium marneffei, Rhodotorula mucilaginosa entre outros.

O exame indicando a espécie, também indicará os melhores remédios e nutraceuticos que combate esse supercrescimento.

Como em um antibiograma de bactérias, que lhe dá a cepa e os antibióticos que a combatem.

Principais Causas e Tratamentos

As principais causas do supercrescimento fúngico são:

  • Uma dieta rica em açúcar e alimentos refinados;
  • Uso excessivo de inibidores da bomba de prótons (Prazóis);
  • Uso de drogas imunossupressoras;
  • Diabetes;
  • Colecistectomia e Colectomia;
  • Falta de ácido estomacal;
  • Uso excessivo de antibióticos.

Se você tiver que tomar um antibiótico, tome sempre um probiótico com lactobacilus acidophilus durante o tratamento para manter as bactérias saudáveis presentes em seu corpo.

É extremamente importante eliminar açúcares e alimentos refinados para reduzir o crescimento excessivo.

Até mesmo frutas e alimentos com alto teor de carboidratos podem precisar ser eliminados e reintroduzidos na dieta mais tarde à medida que você melhora.

A maioria das pessoas com crescimento excessivo de levedura também tem deficiências nutricionais e corrigir estas deficiências pode ajudá-las.

Algumas das abordagens de saúde natural mais eficazes e populares usadas no tratamento dos sintomas do supercrescimento fúngico incluem:

Muitas vezes podemos sim usar medicações que auxiliam no tratamento.

A Nistatina é um medicamento atóxico que não é absorvida pela corrente sanguínea e é muito útil contra fungos na boca e no trato gastrointestinal.

Também pode ser usado como ducha, se você estiver sentindo coceira vaginal causada por fungos.

Também é essencial manter seu ambiente doméstico saudável e não tóxico.

Além disso, os produtos químicos enfraquecem o sistema imunológico e se o sistema imunológico está fraco, as leveduras se proliferam.

Assim, manter sua casa livre de mofo e de produtos químicos, usando materiais de limpeza e produtos de higiene pessoal não tóxicos e naturais ajudará seu sistema imunológico a ficar mais forte e a combater a proliferação fúngica.

MATERIAIS EXTRAS

VÍDEO – Os fungos podem estar dominando você – Conheça a Síndrome fúngica

VÍDEO – Doença do MOFO! Entenda o problema

VÍDEO – Micose de unha – Tratamento caseiro – Dr. Alain Dutra

02 – Artigos relacionados

  1. Toxicidade pelo Mofo – Uma doença ambiental negligenciada
  2. Vermes e parasitas – A surpreendente verdade, amigos ou inimigos?

03 – Fontes e referências

 

36ba000bbef6eff0bba1f0259a77102f?s=96&r=g
Dr. Alain Dutrahttps://artigos.alainuro.com
Dr. Alain Dutra é médico urologista e aplica a Medicina Funcional, Integrativa e de Estilo de vida e princípios ortomoleculares.

More from author

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Outros Artigos

Últimos artigos

O que é Alergia e Rinite Alérgica?

O que é Alergia e Rinite Alérgica? A principal função do nosso sistema imunológico é nos proteger de antígenos (substâncias estranhas ao organismo que desencadeiam...

Incontinência urinária – 6 tipos mais comuns e tratamentos

Incontinência urinária - 6 tipos mais comuns e tratamentos A incontinência urinária afeta 23-31% da população idosa e estima-se que afete 50-65% de ambos os...

Hormônios e ligação com Artrite

Hormônios e ligação com Artrite As doenças autoimunes são mais comuns em mulheres do que em homens e as condições inflamatórias autoimunes artríticas têm tendência...

Assine nosso newsletter e receba as últimas notícias direto em seu e-mail

spinner
loading...
error icon
redirect