Como quebrar relacionamentos tóxicos. O que isso significa para a sua Saúde.

Como quebrar relacionamentos tóxicos.

O que isso significa para a sua Saúde.

Você quer entender como relacionamentos tóxicos te levam a doenças graves como o câncer e o que fazer para sair dessa fria?

Acompanhe esse artigo ou assista ao vídeo até o final.

Relacionamentos Tóxicos – Será que isso soa familiar para você?

Às vezes você discute e depois discute mais. E então você continua discutindo, e fica preso em um argumento estúpido, que parece que começou no início dos tempos e só terminará quando o inferno esfriar.

  1. Talvez não seja uma discussão.
  2. Talvez você esteja colocando as necessidades e desejos de seu companheiro ou companheira acima dos seus, mesmo sem pensar nisso.
  3. Talvez esteja fazendo suposições que existem somente na sua cabeça.
  4. Talvez esteja se recusando a reconhecer quando o outro pode estar certo.
  5. Talvez esteja se recusando a reconhecer quando você pode estar certo.
  6. Talvez tudo esteja ruim no seu relacionamento agora… E você pensa, como cheguei a esse ponto?

Isso tudo que eu acabei de descrever pode ser um relacionamento tóxico. Acho que a maioria de nós já se envolveu em um desses, uma vez ou outra.

Relacionamentos tóxicos impactam diretamente na sua saúde.

Observo isso no consultório e estudos confirmam. Muito comum pessoas terem câncer descoberto cerca de dois anos depois de uma separação dolorosa.

Relacionamentos tóxicos estão ligadas ao câncer, depressão e doenças cardíacas.

Cientistas da Faculdade de Medicina da UCLA descobriram que interações sociais negativas podem levar ao aumento da inflamação, que por sua vez pode causar uma série de doenças, de câncer a doenças cardíacas e pressão alta.

E padrões de relacionamento ruins não morrem simplesmente porque você se separou, você leva isso para outros relacionamentos.

O que fazer e como identificar os sinais?

Antes de descobrir como proceder você precisa diferenciar entre um padrão improdutivo e um abuso. Abuso é caso de polícia.

O abuso envolve poder e controle e, se você acha que está sofrendo isso, procure uma delegacia especializada e um bom advogado.

Mas se o que você está experimentando é mais parecido com um padrão improdutivo, do tipo que envolve as mesmas discordâncias e discussões que são repetidas o tempo todo sem resolução satisfatória, então você pode estar em um padrão de relacionamento tóxico.

Pessoas em qualquer tipo de relacionamento de longo prazo tendem a discutir as mesmas coisas repetidas vezes e, se não forem resolvidas, vão se acumulando.

As pessoas tendem a ir para seus próprios cantos e tentam deixar o tempo facilitar as coisas.

Isso segundo Beth Strong, uma psicoterapeuta holística que pratica nos EUA. As pessoas tentam suavizar as discussões com o tempo, mas os problemas acabam se tornando insolúveis.

Se você sente que nunca escapará de um padrão frustrante e improdutivo, vamos conversar como melhorar isso.

É muito importante analisar seu próprio comportamento em seus relacionamentos.

Que papel você costuma desempenhar em todos os tipos de relacionamento e que padrões você vê?

Sem consciência e aceitação de que algo é um padrão desadaptativo, é impossível que você avance. Entender o que está por trás dos padrões de comportamento, especialmente quando eles são seus, envolve alguma investigação pessoal.

É muito importante observar os primeiros relacionamentos que você vivenciou em família. Isso pode revelar padrões de como você se relaciona com outros agora.

Muito do nosso aprendizado básico sobre como se comportar em relação aos outros vem de nossas famílias; o que observamos, como as necessidades são comunicadas, e como as necessidades são atendidas.

As vezes você pode ser uma pessoa calada e introvertida que evita comunicação agora porque quando criança era reprimida ao se expressar. Você não quer vivenciar esses sentimentos negativos de desaprovação novamente.

Se alguém em sua vida inicial foi manipulador e você aprendeu a duvidar dele ou dela, é provável que duvide de outras pessoas também.

Em outras palavras, os modelos que usamos na infância para construir relacionamentos, podem levar a mecanismos de enfrentamento, adaptativos ou não, que usamos atualmente para nos comunicar com outras pessoas na tentativa de evitar o que experimentamos de negativo nas nossas infâncias.

Então é muito importante identificar esses padrões que te levam a falhar em relacionamentos.

Depois de identificar o padrão, você precisa assumir a sua responsabilidade nele.

Assumir responsabilidade é um processo que não apenas envolve pedir desculpas, mas sim entender seu papel na dinâmica do relacionamento e usar esse conhecimento para mudar esse comportamento.

Pergunte a si mesmo, o que eu poderia fazer de diferente?

Quanto mais você se responsabilizar por seu próprio papel em seus relacionamentos, mais é provável que você reconheça e faça as mudanças necessárias.

Se alguém está preso na ideia de que não fez nada errado na maneira como se relaciona com as pessoas em sua vida, é improvável que essa pessoa será capaz de fazer qualquer mudança para melhorar um relacionamento.

É fundamental criar novos padrões na forma como nos envolvemos e nos relacionamos.

Isso exige que sejamos capazes de aceitar que podemos ter padrões que não são saudáveis na maneira como nos relacionamos com os outros.

Precisamos aceitar que cometemos erros e é muito importante encontrar novas maneiras de nos relacionar, no sentido de transformar um relacionamento potencialmente tóxico em uma versão saudável.

Ao procurar novas maneiras de se envolver, uma coisa que pode ajudar é diminuir a velocidade da conversa e falar de maneira mais longa e detalhada.

À medida que os casais se conhecem, eles começam a usar uma comunicação abreviada, onde eles presumem que sabem o que o outro está prestes a dizer, o que o outro está pensando, o que o outro está sentindo, porque já ouviram antes.

Em vez disso, concentre-se em transmitir claramente toda a sua mensagem emocional e tente ouvir na íntegra a mensagem do outro sem percebê-la como um ataque.

Por exemplo, o que as mulheres costumam muito reclamar dos parceiros após anos de relacionamento: “Ao me encontrar você nunca mais me beija”.

Veja bem, em algumas circunstâncias isso pode parecer acusatório, que tal mudar para “me deixa triste, que hoje em dia quando nos encontramos, perdemos aquela sensação especial, aquele jeito carinhoso do início do relacionamento”.

Essa forma mais elaborada de se expressar pode levar a uma conversa produtiva sobre se um faz falta ao outro, ou se existe algum distanciamento acontecendo, e se esse distanciamento é de propósito ou não.

É muito melhor quando desaceleramos uma conversa e assim podemos compartilhar melhor os sentimentos, de uma maneira mais clara e sem presumir que o outro automaticamente entendeu o que você falou.

É fundamental deixar as conversas importantes para depois, quando os ânimos estão apaziguados e não no meio do quebra pau de uma discussão.

Com os ânimos acalmados, os sentimentos e opiniões saem muito melhor, de uma maneira intencional e contida.

Leva tempo para ter uma conversa difícil, delicada e complicada. É muito útil dizer, já com a cabeça fria, “há algo que pesa dentro de mim, eu realmente quero ter uma conversa amável e respeitosa sobre isso, e seria ótimo se pudéssemos gastar 20 ou 30 minutos para conversar”.

Você poderia me dizer qual seria um bom momento para você?” Então, no momento combinado, fale sobre isso intencionalmente e sem distrações.

Pense que separar a discussão dos argumentos é muito importante.

Separar o fato emocional que levou a briga, dos argumentos ou ações erradas do outro é fundamental.

É difícil fazer esse tipo de negociação se estivermos chateados e formos atacados novamente, e por isso a ideia é separar essas conversas delicadas dos momentos de cabeça quente.

A melhor coisa que vem de admitir que você tem um problema é a chance de corrigir.

Todos nós brigamos e muitas vezes não sabemos as melhores maneiras de nos relacionar.

O negócio é transformar “limão em limonada” e usar os conflitos para nos ajudar a descobrir partes de nós mesmos que precisam de cura e crescimento.

Coisas das qua00is não estávamos conscientes. Precisamos identificar os padrões prejudiciais à saúde para que possamos lidar com feridas e traumas do passado.

Essas opressões do passado precisam ser destrinchadas para que possamos entender a forma como isso influencia nos relacionamentos com os outros.

Isso pode nos ajudar a ser melhores pessoas, amigos, parceiros e cônjuges.

36ba000bbef6eff0bba1f0259a77102f?s=96&r=g
Dr. Alain Dutrahttps://artigos.alainuro.com
Dr. Alain Dutra é médico urologista. Além dos aspectos tradicionais de uma consulta médica, busco avaliar a sua vida como um todo, para entender onde seus hábitos de vida (sejam esses alimentares, de exercícios ou níveis de estresse) estão contribuindo para o seu atual estado de saúde.

More from author

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Outros Artigos

Últimos artigos

Multivitamínicos e minerais – Dicas para otimizar a absorção

Multivitamínicos e minerais - Dicas para otimizar a absorção Vamos falar a respeito dos melhores horários e esquemas para uso de multivitamínicos e minerais. Para otimizar...

Polifarmácia e depressão

Polifarmácia e depressão Não posso deixar de abordar esse tema, a "Polifarmácia", pois cada dia recebo mais e mais pacientes no consultório com quadros de...

Vitamina B6 – Sintomas de sua falta e do seu excesso

Vitamina B6 sintomas de sua Falta e do seu excesso Você sabia que o excesso de vitamina B6 pode ser tão prejudicial quanto a sua...

Assine nosso newsletter e receba as últimas notícias direto em seu e-mail

spinner
loading...
error icon
redirect