• A carragenina ou carragena também conhecido como E-407, é uma mistura de polissacarídeos procedentes de algas de várias famílias de Rhodophyceaes. Utiliza-se como aditivo alimentar, estabilizadores, espessante e gelificante. Como se trata de algas marinhas, muitas pessoas assumem que a carragenina é natural. mas é um aditivo processado e as pesquisas sugerem que ele é altamente inflamatório, desencadeando uma reação imunológica.
  • Para pessoas que consomem carragena diariamente, poderá levar a inflamação, ulcerações intestinais, intestino irritável, artrite reumatoide, arteriosclerose e câncer. Em um relatório de 2016 do Instituto Cornucopia, os riscos para a saúde da carragena foram revelados numa série de estudos. Os cientistas descobriram que o contato com o carragenano reduz a atividade de certas enzimas benéficas em células humanas.
  • A agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC) classifica a carragenina degradada como um possível carcinógeno humano. A carragenina degradada, que é processada com ácido em vez de álcali (como é a carragenina de grau alimentício), é tão inflamatória que é usada em estudos de laboratório para induzir inflamação em animais a fim de testar agentes antiinflamatórios. O problema é que a carragena alimentar (não degradada) pode ser degradada durante o processo do alimento ou já vir contaminada pelas pequenas moléculas de carragena degradada.
  • Também existe a preocupação de que o ácido estomacal poderia transformar basicamente carragenina de grau alimentício em carragenina potencialmente cancerígena e degradada, uma vez dentro do corpo.
  • A carragena pode estar presente no: – Bebidas lácteas e de soja – Suplementos como, shakes, Slim-Fast – Sorvete – Queijo cremoso – Pratos congelados – Carnes processadas – Molho de salada – Comida infantil e muitos outros produtos.
  • Para saber mais

#carragena #carragenina #industrializados #aditivoalimentar #E-407 #alimentaçaosaudavel #dralaindutra #medicinaintegrativa #ortomolecular