Efeito da Curcumina na tempestade de citocinas induzida por vírus

Efeito da Curcumina na tempestade de citocinas induzida por vírus

A curcumina é uma das plantas mais estudadas na medicina, no Google acadêmico são mais de 137 mil artigos sobre o efeito da curcumina, benefícios e ação anti-inflamatória.
 
Ela já foi comprovada por ajudar no tratamento de condições oxidativas e inflamatórias, síndrome metabólica, artrite, ansiedade e hiperlipidemia.
 

Estudos recentes do efeito da curcumina em vírus

Como vários outros suplementos naturais, a curcumina também foi identificada como tendo um potencial benefício contra o COVID-19 em um pequeno estudo.
 
De acordo com o artigo, “Inibidor Potencial da Protease Principal COVID-19 de Vários Compostos de Plantas Medicinais por Estudo de Ancoragem Molecular”, publicado em 13 de março de 2020, em preprints.org, a curcumina foi um dos compostos dentre vários encontrados, in vitro que podem ajudar a inibir COVID-19.
 
Outros que podemos citar desse estudo in vitro foram:

Evidências e achados de outros estudos

Outro artigo científico revisado por cientistas na Frontiers in Cell and Developmental Biology, publicada em 12 de junho de 2020 revisou a possível ação da curcumina nos cenários do COVID-19, com evidências de suporte da literatura já existentes e pequenos estudos recentes.
 
O artigo cita vários estudos em que a curcumina foi efetiva na inflamação pulmonar, fibrose e edema.
 
É discutido o papel positivo da curcumina nas condições de inflamatórias durante infecções virais.
 
A revisão também aborda as ações positivas do efeito da curcumina sobre danos funcionais cardíacos e renais causados por infecções virais.
 
Eles citam que a curcumina tem um efeito inibitório nas tempestades de citocinas induzidas por vírus, que ocorrem como resultado de uma superprodução de células imunes e citocinas pró-inflamatórias.

Estudos e conclusões do efeito da curcumina contra COVID-19

Isso também sugere que a curcumina pode ser de uso auxiliar contra o COVID-19, considerando que a tempestade de citocinas desencadeada na infecção grave e crítica do COVID-19 é o que acaba matando os pacientes.
 
Pelo menos cinco estudos de destaque, publicados entre 2015 e 2020, sugerem que a curcumina inibe tempestades de citocinas induzidas por vírus. Esses incluem:
  • Estudo de 2015 publicado na revista In Vivo intitulado “Curcumin suppression of cytokine release and cytokine storm. A potential therapy for patients with Ebola and other severe viral infections”. Mostrou que a curcumina poderia ser uma terapia potencial para pacientes com ebola e outras infecções virais graves.
  • Um estudo de 2018 na revista International Immunofharmacology, que mostrou que a curcumina inibe a replicação do vírus influenza A e a pneumonia induzida por influenza.
  • Outro estudo de 2018 no Journal of Food and Drug Analysis, que descobriu que a curcumina inibe efetivamente a infecção por influenza A.
  • Estudo de 2019 na Frontiers in Microbiology, que destacou a atividade antiviral da curcumina contra o vírus influenza, vírus da hepatite C e HIV.
  • Um estudo 2020 no International Journal of Molecular Sciences que relatou que a curcumina consegue bloquear a infecção pelo vírus herpes simplex tipo 2 (HSV-2) e inibir a produção de citocinas inflamatórias.

Curcumina como agente terapêutico

Aparentemente esses estudos fornecem uma justificativa de que o efeito da curcumina pode ser usada como agente terapêutico auxiliar contra pneumonia resultantes de infecção viral do COVID-19.
 
Vários estudos in vivo e in vitro demonstraram que a curcumina inibe a produção e liberação de citocinas pró-inflamatórias, como IL-1, IL-6, IL-8, TNF-α.
 
evidências claras de pacientes infectados com coronavírus com altos níveis de citocinas e alterações patológicas no pulmão.
 
Por exemplo, no plasma de pacientes com COVID-19, altas concentrações de IL-2, IL-6 e IL-7 foram observadas. 
 
Em particular, a IL-6 (Interleucina 6) foi significativamente elevada em pacientes críticos com Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e foi estatisticamente correlacionada com a gravidade e morte.
 
No entanto, a curcumina é pouco absorvida pelo trato intestinal, no entanto, formulações intravenosas podem permitir que os níveis terapêuticos de curcumina no sangue sejam alcançados em pacientes hospitalizados e diagnosticados com tempestade de citocinas.

Como utilizar curcumina preventivamente?

Mas para quem quer usar preventivamente e obter o efeito da curcumina, a melhor forma é a cúrcuma longa em suplemento.
 
Usar em jejum, 2 horas antes ou depois das refeições, com preferência junto a pimenta-preta e com um pouco de óleo de coco, para aumentar mais a absorção. 
 
Se você usa o pó de Cúrcuma, também faça o mesmo processo acima.

Fontes:

Dr. Alain Dutrahttps://artigos.alainuro.com
Dr. Alain Dutra é médico urologista e aplica a Medicina Funcional, Integrativa e de Estilo de vida e princípios ortomoleculares.

More from author

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Outros Artigos

Últimos artigos

Biotina – Propriedades, benefícios e problemas com insuficiência

Biotina - Propriedades, benefícios e problemas com insuficiência A Biotina (vitamina B7) faz parte do complexo de vitaminas B - um grupo de nutrientes essenciais necessários...

Esclerose Múltipla – Conheças as abordagens integrativas

Esclerose Múltipla - Conheças as abordagens integrativas A esclerose múltipla (ou EM) é uma doença autoimune que afeta o sistema nervoso central. EM afeta 2,5...

DHEA e seus importantes benefícios para sua saúde

DHEA e seus importantes benefícios Seu corpo produz naturalmente o hormônio desidroepiandrosterona (DHEA) na glândula adrenal. Alguns outros tecidos, como os testículos, por exemplo, produzem DHEA,...

Assine nosso newsletter e receba as últimas notícias direto em seu e-mail

loading...