Aducanumabe – Mais uma demonstração do poder da indústria farmacêutica

Aducanumabe – Mais uma demonstração do poder da indústria farmacêutica

Recentemente, foi aprovado o Aducanumabe pelo FDA (órgão regulatório americano) para o tratamento da Doença de Alzheimer (DA).

Aqueles que têm lido meus artigos e assistido aos meus vídeos já me ouviram, com certeza, dizer que é lamentável que a indústria farmacêutica tenha feito tão pouco para contribuir para a prevenção e reversão da Doença de Alzheimer.

Eu deveria então, estar comemorando a aprovação de uma nova droga para o tratamento da DA. Mas, infelizmente, não estou.

O que é Aducanumabe?

Como já vimos, existem várias causas para a DA. A nova droga aprovada, continua com a mesma abordagem equivocada de que a Doença de Alzheimer é causada apenas pelo acúmulo de amiloide no cérebro, e tem o único propósito de remover o amiloide.

Infelizmente, as várias drogas que removem amiloide – aducanumabe, solanezumab, bapineuzumab e outras – já demonstraram o equívoco: o amiloide foi reduzido, mas o Alzheimer não foi melhorado.

Essa é uma lição, que embora venha se repetindo droga após droga testada e aprovada, ninguém na indústria farmacêutica ou nos órgãos reguladores está disposto a aprender.

Como foi conduzido o estudo?

Além de ter um approach equivocado da DA, o próprio processo de aprovação da droga foi contraditório, uma vez os resultados destacados referem-se apenas às fases que precedem a doença e à forma leve da demência em pacientes com confirmação diagnóstica através de biomarcadores, o que na prática significa um pequeno percentual de pacientes.

Apesar da redução das lesões no exame de PET amiloide ao longo de um ano, o benefício clínico foi menos confiável, pois a melhora na escala CDR foi mínima, o que provavelmente teria impacto irrelevante no dia a dia do paciente.

O estudo usado como base foi incompleto e observou os pacientes por pouco tempo, o que poderia trazer dúvidas a respeito da eficácia a longo prazo.

Por fim, remover o amiloide levou à hemorragia cerebral, inchaço cerebral e outros efeitos colaterais desagradáveis em cerca de 30 a 40% dos pacientes (e 50% no grupo ApoE4+, isso é, no grupo que está em alto risco para o Alzheimer, e, portanto, o que mais precisa de uma terapia eficaz).

Preço do Aducanumabe 

Além isso, o custo financeiro do Aducanumabe é bastante alto (cerca de 5 a 6 mil dólares – de 25 a 30 mil reais – por mês) e ainda demandaria custos indiretos, como os exames de PET de amiloide, de biomarcadores e eventuais exames para monitorar possíveis efeitos adversos.

O alto custo financeiro do Aducanumabe e os resultados questionáveis fizeram com que dois grandes sistemas de saúde americanos decidissem que não vão administrar a nova droga aos seus pacientes, sendo um deles o do Monte Sinai em Nova York.

O Dr. Sam Gandy, diretor do Centro de Saúde Cognitiva do Monte Sinai e professor de psiquiatria e neurologia, disse que a decisão foi motivada pelo fato de que houve pedidos para uma investigação federal da decisão da FDA e a relação da agência com a Biogen, fabricante da droga.

Além disso, muitos especialistas em Alzheimer e outros cientistas disseram que não está claro que a droga funciona para ajudar a retardar o declínio cognitivo e que, no melhor das hipóteses, as evidências sugeriram apenas uma leve desaceleração, ao mesmo tempo em que mostram que o Aducanumabe poderia causar inchaço cerebral ou sangramento cerebral.

Considerações finais

Eu gostaria muito de estar comemorando essa notícia, mas, infelizmente, pelo que tudo indica, essa é apenas mais uma demonstração do poder da indústria farmacêutica sobre os órgãos reguladores.

Os portadores de doença de Alzheimer merecem muito mais do que uma droga caríssima, com pouca eficácia e tão arriscada.

Agradeço todos os dias pela esperança que nos foi dada pelo protocolo do Dr. Bredesen e pelo privilégio de poder entender melhor a doença de Alzheimer e ajudar meus pacientes a preveni-la da forma correta.

36ba000bbef6eff0bba1f0259a77102f?s=96&r=g
Dr. Alain Dutrahttps://artigos.alainuro.com
Dr. Alain Dutra é médico urologista. Além dos aspectos tradicionais de uma consulta médica, busco avaliar a sua vida como um todo, para entender onde seus hábitos de vida (sejam esses alimentares, de exercícios ou níveis de estresse) estão contribuindo para o seu atual estado de saúde.

More from author

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Outros Artigos

Últimos artigos

Multivitamínicos e minerais – Dicas para otimizar a absorção

Multivitamínicos e minerais - Dicas para otimizar a absorção Vamos falar a respeito dos melhores horários e esquemas para uso de multivitamínicos e minerais. Para otimizar...

Polifarmácia e depressão

Polifarmácia e depressão Não posso deixar de abordar esse tema, a "Polifarmácia", pois cada dia recebo mais e mais pacientes no consultório com quadros de...

Vitamina B6 – Sintomas de sua falta e do seu excesso

Vitamina B6 sintomas de sua Falta e do seu excesso Você sabia que o excesso de vitamina B6 pode ser tão prejudicial quanto a sua...

Assine nosso newsletter e receba as últimas notícias direto em seu e-mail

spinner
loading...
error icon
redirect